Qual é o papel dos pais na educação financeira dos filhos?

Todos sabem que vivemos um mundo caótico, repleto de incertezas e com mudanças mais rápidas do que podemos acompanhar. É o mundo VUCA (volátil, incerto, complexo e ambíguo) e os filhos estão imersos nesse contexto. Nativos digitais, em sua maioria, muitas vezes têm dificuldades de tolerar o processo natural das coisas e a impulsividade acaba direcionando a vida das crianças e adolescentes.

 

Fazer frente a isso é papel dos pais, porque muito além de educar estão cuidando da saúde mental dos filhos. Quem quer ver o filho virar estatística? Nos ambientes de trabalho, temos a impressionante marca de 60% dos afastamentos serem motivados por estresse. Igualmente sabemos que a doença do século é a depressão e é para esse ambiente que os adolescentes e crianças estão se encaminhando.

 

Como prepará-los para enfrentar o mundo pandêmico, VUCA, a depressão, o estresse e a pressão por alto desempenho? Como desenvolver habilidades socioemocionais e as soft skills? Sem receitas, só podemos propor caminhos e um deles é aproveitar a oportunidade de falar sobre consumo e finanças, como uma forma de ampliar a consciência, o pensamento crítico e a autorresponsabilidade.

 

Mas como fazer isso e ainda cuidar da segurança deles, trabalhar para oportunizar escola, casa, comida, conforto e boas experiências? Mães e pais não são super-heróis, embora alguns filhos acreditem que deveriam ser. E aí já começamos com um primeiro e importante passo:

Mostrar aos filhos que limites existem, inclusive nas possibilidades dos pais.

 

Outro aspecto fundamental que pode ser transmitido aos filhos é o dilema ganhos x perdas diante das escolhas, ou seja, para cada conquista existe uma renúncia, quer um exemplo? Para dedicar 1 hora em um jogo on-line, é 1 hora em que não se está jogando futebol com amigos. Dedicar 1 hora olhando maquiagens, é não fazer uma aula de hip hop e isso vale para qualquer situação, moral da história: ter uma coisa é abrir mão de outra, daí a importância de analisar com clareza, o quê de fato, se está ganhando.

 

Mães e pais podem se valer da educação financeira como forma de fortalecer os valores daquilo que é importante na vida. Afinal pesquisas apontam que umas maiores influências ainda é a família. Soma-se a esse fato, que crianças aprendem muito mais pelo exemplo do que pela fala. Se pais planejam as finanças e possuem controle emocional diante do consumo, a tendência é que os filhos sigam esse exemplo. Do contrário, também é verdade. Bons ou maus exemplos são copiados por crianças e adolescentes, o papel de quem os protege, ama e educa é ajudar com que cada um saiba o valor de ser quem se é, independente daquilo que se tem. É dessa forma que todos podem ter efetivamente, uma vida que prospera.